Quem seria o fundador dos Padres do Trabalho era membro da Congregação dos Missionários do Sagrado Coração (MSC), o Pe Teófilo Reyn, que ocupava o “segundo lugar” naquela Congregação.

Os irmãos do MSC desejavam assumir a missão no meio operário. Diante da impossibilidade de sua Congregação se dedicar a este serviço, ele e alguns de seus companheiros pediram e obtiveram dispensa de seus votos e se apresentaram ao Bispo de Liège, para realizar seu sonho de constituir a obra dos Missionários do Operários. Era o ano de 1893.

Em janeiro de 1894, Dom Doutreloux concedeu ao Pe Reyn uma paróquia operária nos subúrbios de Liège. Aceitou também os companheiros de Pe Reyn em seu Seminário.

 

No dia 21 de novembro de 1894, dia da Apresentação de Nossa Senhora, foi oficializada a criação de uma sociedade de padres, Padres do Trabalho, para se dedicarem ao apostolado no meio operário.

Pe Joseph Jean Victor Henrotte, MO

Pe. Théophile Reyn, Fundador e Primeiro Superior Geral dos Missionários dos Operários

Pe. Théophile Reyn, Fundador e Primeiro
Superior Geral dos Missionários
dos Operários

No Congresso de 1890, participaram o cardeal belga e nove bispos da Bélgica, da França, da Espanha, da Inglaterra e da Alemanha. Além dos bispos, se encontravam ali delegações da Alemanha, da França, da Inglaterra, da Suíça, da Áustria, do Portugal, da Itália.

Papa Leão XIII

 

 

 
Chegou o ano de 1891 e a parução da Encíclica “Rerum Novarum”, do papa Leão XIII.Duas questões importantes foram abordadas: a legitimidade das greves e a legitimidade das reinvidicaçoes dos operários, mas não foram discutidas pelo Congresso, porque se achava que faltava estudos a este respeito.

Esta Encíclica retomava a questão da legitimidade das reinvidicações dos operários e da mesma maneira que foi apresentada no Congresso de Liège do ano anterior. Essa Encíclica não foi aceita por muitos católicos.

 

 

 

 

 

"Das coisas novas"

“Das coisas novas”

 

 
No discurso de abertura do Congresso das Obras Sociais de Liège, de 1887, o Bispo Dom Doutreloux disse: “Um dos mais importantes industriais de minha diocese, pediu que eu colocasse no programa do Congresso, a questão de saber se não seria oportuno de criar uma obra de ‘Padres do Trabalho’”, que estariam em contato direto com os trabalhadores e formariam, de certa forma, uma obra de “Propagação da Fé no meio operário”. O bispo continua dizendo que a ideia não é tão teórica e que se poderia pensar. É assim que foi criado o nome de “Aumônier du Travail”.Quando chegou a Encíclica “Quadragésimo Anno”, um comunista francês criticava os católicos dizendo: “Não são as encíclicas que nós censuramos, mas o desprezo com o qual vocês a trataram”.

Pe Joseph Jean Victor Henrotte, MO