1978668_10151877116251653_238285206_n

Órfãos vítimas dos conflitos palestinos.

Pe. Lambert Noben, MO

Estamos no tempo bendito do Advento preparando-nos para um Natal feliz e cheio de paz. No meio de tanta violência, guerras, fome, ódio, miséria… não deixamos de sonhar com uma paz duradoura e completa… só que apenas sonhar não basta: a paz deve nascer em nosso coração e espalhar-se ao nosso redor. Somos nós, juntos, que devemos conquistar e construir esta paz. Boas intenções não bastam, são ineficientes e ineficazes.

Por isso, João Batista nos convida à conversão, a endireitar os caminhos de nosso coração, tirando toda falsidade, egoísmo, mentira, orgulho, agressividade e vingança, para cultivar a mansidão, a bondade e a ternura, o perdão e a misericórdia. Esta é a grande mensagem que Deus nos dá no Natal. Ele, no antigo testamento, como também em quase todas as regiões e religiões da terra é apresentado como um deus terrível, violento, justiceiro e castigador, um deus que mata crianças inocentes e faz acontecer desgraças e cataclismas. Jesus veio a nós como uma criança pobre, fraca, indefesa e acolhedora. Nada de ameaça, nada de vingança ou de castigo, mas apenas bondade desarmada e desarmadora, apenas acolhida simples e carinhosa.  Ele nos ensina que para ser grande, ninguém precisa ser forte, violento e ameaçador, para ser importante não precisa aparecer e exibir-se… Ninguém mais do que Ele conseguiu marcar e transformar o mundo pela sua presença, mesmo se Ele nunca teve fortuna, riqueza, arma ou curso superior… nunca teve função política ou cargo mundano.

Mesmo assim – e talvez seja mesmo por causa disso – Ele incomoda; tentamos abafá-lo e enterrá-lo debaixo de um papai Noel barrigudo e mentiroso, debaixo de um montão de presentes e comidas e bebidas. Papai Noel não nos incomoda, não pede mudança de vida nem conversão e a conversão mais difícil e incômoda é nos tornarmos fracos, indefesos e carinhosos como uma criança. Jesus, “Deus conosco” fez antes de nós esta mudança, esta conversão e mais tarde vai nos anunciar que se não nos tornamos semelhantes a crianças não entraremos no reino dos céus. O mundo se esquece das crianças, despreza as crianças, só respeita o violento, o forte e poderoso, o importante, e por isso é tão difícil se converter a ser como criança, porque nos também seremos rejeitados, esquecidos e desvalorizados. Tornar-se criança é desistir de qualquer forma de poder, opressão, coação, dominação e violência; é desistir de competir para ser o mais poderoso, o mais importante, o mais “mais”. Foi isso que Deus fez na noite de Natal. É esse o seu recado mais importante e mais exigente. Se nós O imitamos nesta sua atitude, seremos construtores de um mundo de paz, de amor, de ternura. Toda violência no mundo é fruto do orgulho, da ganância, da vaidade e da prepotência. A conversão se faz no coração de cada um de nós e depende apenas de nós. Por isso, podemos afirmar que a paz neste Natal depende apenas de nós e está em nossas mãos. Feliz Natal para você, faça o Natal dos outros feliz também.

 

Post Navigation